17.1.12

de amor para amor


És o ar que respiro
O chão sob o qual caminho
A luz que me ilumina
O universo que me fascina
A força que me domina.
És o brilho no olhar que me acompanha
E que mesmo na mais alta montanha
Se eleva aos céus
Para gritar pelos seus.
És o sorriso que me preenche
E que mesmo no meio de tantas lágrimas
Nunca se enche.
És as palavras que se pronunciam
E que mesmo no meio de tanta guerra
O meu amor por ti renunciam.
És o sentimento que me completa
E que mesmo no meio de tantas perdas
De felicidade me faz sentir repleta.
És o sonho real que me faz acreditar
E que mesmo no meio de tanta crueldade
Leva-me para onde ninguém vai,
O lugar onde a neve nunca cai
E onde nunca houve uma tempestade.
Neste mundo sem idade
E infelizmente sem igualdade
És tu a minha única esperança
À qual devo a minha aliança.
Um dia sei que ao meu te terei
E prometo-te...
De ti farei um rei.

2 comentários:

Flávio Miguel Mata disse...

que lindo, lé.

Flávio Miguel Mata disse...

Acho, gostei muito.
E eu tenho saudades de te chama Lé <3