17.12.11

volta meu amor. larga esse exterior fútil, injusto e frio. deixa a chuva que corre lá fora e o vento que a leva para onde nunca deveria ir; deixa as folhas das árvores despedirem-se; deixa a natureza sentir-se; deixa as memórias irem-se. volta meu amor. decidi acender a lareira - como tu tanto gostas - e fazer o teu café favorito. ah, e ainda vou deixar-me para dar-me. afinal de contas, não foi isso que sempre quiseste? volta meu amor. dar-te-ei a vida, o sol e, até mesmo se quiseres, a minha lua. mas para isso... volta meu amor.

Sem comentários: