26.4.11

"Não sei há quantos dias ando nisto, sempre ouvi dizer que o amor faz dos estúpidos inteligentes e torna as pessoas inteligentes em estúpidas, mas sinto-me cada vez mais idiota, estupidamente idiota, mergulhado numa espécie de estado de graça quase divina, como se ser feliz também fosse não querer saber de nada, não me importar com coisa nenhuma, não ser nunca mais obrigado a pensar em nada, só sentir e amar e amar e sentir.
Não sei há quantos dias ando nisto, quando se perde a cabeça - devia era dizer-se quando se perde o coração, porque é este que primeiro se parte, se desfaz, se transforma numa massa qualquer sem forma que faz todo o sentido - perde-se a noção do tempo e do espaço, os dias são intermináveis até que a tua presença os apazigua, a casa fica enorme e vazia na tua ausência e as árvores só dançam quando já chegaste para me encher a sala, a mesa, a cama e então estás em todo o lado, és os objectos e os sons que me cercam e me embalam, como se o mundo existisse lá fora, como se o universo inteiro chegasse e partisse contigo.
E acredita é como se sentisse o mundo inteiro na mão a pulsar em golfadas silenciosas, uma espécie de poder que só sente quem ama e se entrega, quem aceita o bilhete sem volta de uma viagem alucinante ao outro lado da vida, ao lado onde não há tempo nem medo, onde palavras, gestos e sentimentos só servem para amar.
Dizem que isto não dura sempre, que a paixão é um estado que diminui um homem e o escraviza ao desejo dos sentidos, mas não acredito que não possa ser verdade e que não possa ser a melhor coisa do mundo.
Vivo, respiro, durmo e alimento-me de paixão, olho à minha volta e vejo-te em todos os cantos, a tua voz paira ainda no ar a chamar-me baixinho e a dizer quero-te, quero-te, quero-te e é por isso meu amor, que não sei há quantos dias, meses, anos me perdi em ti e neste amor, mas não quero saber, já não me importo com nada, quero lá saber do frio, do calor, da chuva, dos impostos, do partido..." (Margarida Rebelo Pinto - mais uma vez)

13 comentários:

Isabel disse...

MRP, como adoro *-*

Mafalda disse...

Perfeito! Esta grande senhora tem o dom de falar por mim:)

Isabel disse...

Já somos duas *-*

vânia macedo disse...

ohh, obrigada!
bem, se a fotografia enquanto profissão é das poucas certezas que tens, então não deixes uma certeza tão grande como essa fugir. agarra-te a ela! (:

Mafalda disse...

É isso, é isso mesmo!*

vânia macedo disse...

não, não duvido. aliás, acho que sinto essa certeza tua em cada palavra! (:

Mafalda disse...

Das minhas também. Sinto muito o que ela diz:)

vânia macedo disse...

encontrar emprego para as férias? eu não tenho experiência nisso, porque nunca andei atrás de um emprego de verão. mas, pensando um bocado, posso dar-te umas dicas (básicas, obviamente): podes, por exemplo, começar por falar com pessoas como tu, que andaram à procura de emprego. podes procurar em lojas, bares, cafés, algo onde se veja gente nova a trabalhar; podes, por exemplo, tomar conta de crianças, etc. acho que, apesar de seres nova (que moral a minha, até parece que tenho quase 30 anos), ainda tens um leque de opções. basta procurar. (:

Ana Luísa disse...

sim, sem dúvida, mas também temos de fazer um balanço e ver se o saldo é positivo ou não..

Gabriela disse...

Ahah, vocês adoram-se :o
Margarida *.*

mary b disse...

sigo (:

Sílvia Macedo disse...

Cada arrepio ao ler isto **

Sara. disse...

E é tão bom estar assim *.*